Abril…

Nem tudo esteve ao nosso favor
Não tivemos girassóis no fim do ano
Quase não houve verão, eu estive aqui o tempo todo, ouvindo a travessia.

Mas a travessia foi longa, eu quis velar seu sono sem saber que o tempo não me esperaria, na verdade ele não te esperou,
Será que te devo desculpas?

Devo, estranho bom, devo dizer que foi uma honra aprender a ser só mesmo estando com você! Isso fez sentido durante um tempo, você me fez bem pra caralho, mas de tanto tentar aprender a ser só, esqueci que quando se aprende não há como desaprender.

Agora deixarei mais uma vez o mar me envolver, sem mágoas e feridas para cicatrizar, exceto aquelas que você conhece bem, e elas estiveram estampadas por toda parte de mim, todo esse tempo, todos esses anos… Eu precisava me cuidar e eu preciso! Eu ainda preciso.

Qualquer dia desses, qualquer abril desses, voltarei com ou sem alinhamento de estrelas, e eu espero que não se alinhem, eu só espero que brilhem, brilhem todos os dias da minha e da sua vida.

Anúncios

Autor: E G Viana

A desintegração, porém, a união de várias extensões, na contra mão, minhas contradições são minhas melhores amigas, "me cobrir de humanidade me fascina" e eu preciso ser cada vez mais humano para enxergar o universo em sua Infinidade, para ser o lugar onde as extensões queiram morar. Compartilhem as suas extensões, uma boa forma de ser resiliente, pedir a Deus a capacidade de transformar todo o universo em arte. Essa arte se encontra aqui, mas também pode estar em todo lugar. _ Essandro Gabriel

4 comentários em “Abril…”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s