“Mãe, minha depressão é como uma metamorfose…”

Este não é o tipo de vídeo que surpreende no quesito “número de visualizações“, o que é uma pena, visto que seu conteúdo é de extrema relevância… Ele dispensa qualquer coisa que eu queira falar…

Mãe, minha depressão é como uma metamorfose, em um dia ela tão pequena quanto um vagalume na pata de um urso, e no próximo dia, é o urso. E nesses eu me finjo de morta até que o urso me deixe sozinha. Eu chamo os dias ruins de “dias sombrios”.

Minha mãe me diz: “Tente acender velas.”

Quando eu velo uma vela eu vejo o brilho de uma igreja, a terminação de uma chama, as faíscas de uma memória mais jovem que o meio dia. Eu estou de pé, ao lado do seu caixão aberto. É nesse momento que eu percebo que cada pessoa que eu conheci irá algum dia me deixar. Além disso, mãe. Eu não estou com medo do escuro, talvez isso seja parte do problema.

Minha mãe me diz: “Acho que o problema é que você não consegue levantar dessa cama!”

Eu não consigo, a ansiedade me mantém refém dentro da minha própria casa, dentro da minha própria mente.

Minha mãe me diz: “Da onde a ansiedade vem?”

Ansiedade é o primo de fora da cidade fazendo uma visita, que a depressão se sentiu obrigada a levar para a festa. Mãe, eu sou a festa, só que eu sou uma festa que eu não quero ser, uma festa na qual eu não quero estar.

Minha mãe me diz: “Por que você não vai à uma festa de verdade ver seus amigos?”

Claro! Eu faço planos, eu faço planos mas eu não quero ir, eu faço planos porque sei que eu deveria querer ir, eu faço planos pois sei que algumas vezes gostaria de ter ido, é que simplesmente não é muito legal se divertir quando você não quer se divertir, mãe!

Sabe, mãe, toda noite a insônia me pega em seus braços e me larga na cozinha, no tênue brilho da luz do fogão. A insônia tem esse jeito romântico de fazer a lua parecer uma perfeita companhia.

Minha mãe me diz: “Tente contar ovelhas.”

Mas minha mente só consegue contar razões para continuar acordada. Então eu saio para caminhar, meus joelhos disfêmicos fazem “clack” como colheres de prata seguradas em braços fortes com pulsos frouxos. Eles tocaram minha cabeça como desajeitados sinos de igreja. Me lembrando que estou sonambulando em um oceano de felicidade no qual eu não posso me batizar.

Minha mãe diz que: “Ser feliz é uma decisão.”

Mas minha felicidade é mais oca do que um ovo furado por uma taxinha. Minha felicidade é como uma febre fervente, que a qualquer momento pode estourar.

Minha mãe me diz que: “Eu sou tão boa em fazer algo do nada.” E depois na cara dura me pergunta se eu não tenho medo de morrer. Não, eu não tenho medo de morrer, eu tenho medo de viver. Mãe, eu sou sozinha. Acho que aprendi, quando o papai foi embora, a transformar a raiva em solidão, e a solidão em ocupação. Então quando eu te digo que tenho estado super ocupada, na verdade eu quero dizer que tenho caído no sono assistindo o jornal esportivo no sofa para evitar confrontar o espaço vazio na minha cama, mas sempre acabo sendo arrastada de volta para ela. Até que meus ossos sejam os fósseis esquecidos de uma cidade esquelética afundada e minha boca um cemitério de dentes quebrados de tanto morder a si mesmos. O auditório vazio de meu peito com esses ecos de batidas do coração. Mas eu sou apenas uma turista descuidada agora, eu nunca vou verdadeiramente sabem de todos os lugares em que estive.

Minha mãe ainda não entende. Mãe, voce não consegue perceber que eu também não?

Anúncios

7 comentários Adicione o seu

  1. Jauch disse:

    Só quem sofre de depressão ou viveu com alguém que sofreu com esse mal consegue entender que não há o que entender…

    Curtido por 1 pessoa

    1. E G Viana disse:

      Nossa nem fala, é horrível mas a ignorância das pessoas em relação é pior ainda!

      Curtido por 1 pessoa

      1. Jauch disse:

        Todo mundo muito ocupado consigo mesmo…

        Curtir

  2. Bacana, seu post!!! Eu vivenciei isso e sei o quanto é difícil para as pessoas em volta compreender. Precisamos falar mais obre o tema!! Bjs!

    Curtido por 1 pessoa

    1. E G Viana disse:

      Sim! É muito importante, eu tbm vivenciei e a falta de entendimento das pessoas é horrível… Obj, Ju! Volte sempreeee💗

      Curtido por 1 pessoa

  3. Miranda disse:

    Como é bom ler algo e se sentir em casa. Obrigada.

    Curtido por 1 pessoa

    1. E G Viana disse:

      Que bom que se sente assim! Esse aqui é meu “diário particular” kkk💙

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s